CASA DE LA ALHÓNDIGA (TEJINA)

San Cristóbal de La Laguna
- Arquitectura Civil y Doméstica. Anterior al S.XX -




Não há dados exatos sobre a data de conclusão da construção primitiva de La Alh ndiga, mas reconhece-se que foi um dos primeiros edifícios da cidade de Tejina, provavelmente construído no início do século XVII. Em 5 de março de 1662, formou-se uma das manifestações da identidade do povo de Tejina, a constituição de um local ou instituição destinada a manter a coleta de grãos, fornecendo-a em condições médicas durante os períodos de escassez e para comer como para semear.

O empréstimo foi constituído com o nome de Arca de la Misericordia sendo formado por iniciativa de numerosos vizinhos e com a colaboração do padre, sendo o seu fundo de 150 fanegadas, pagando os juros à taxa de almudia e metade por fanegada, sendo o benefícios destinados à melhoria do templo paroquial. Dois anos depois, em 1664, o celeiro em que esses grãos foram armazenados já foi construído, sendo esta a primeira data em que é feita referência à casa de La Alh ndiga. O objetivo era regido por artigos que constituem uma excelente manifestação da intensa consciência comunitária que os vizinhos tinham. O empréstimo teve dois séculos de vida, sendo o último relato que aparece nos livros de atas de 21 de novembro de 1873.

Outro valor altamente significativo de La Alh ndiga é que foi a sede da Câmara Municipal de Tejina desde sua constituição em 1813 até sua dissolução e anexação à Câmara Municipal de La Laguna em 1850. A memória do que um dia significava para A cidade de Tejina tem uma independência política como município por um período bastante curto, mas que ainda hoje é lembrado.



Casa de La Alhóndiga (Tejina)

DE LA COVA GARC A. Dolores: PESOS E MEDIDAS USADAS NAS ILHAS CANÁRIAS

GONZ LEZ HENRIQUEZ, Jos V: Medidas Locais das Ilhas Canárias. Boletim da Câmara Oficial de Comércio, Indústria e Navegação, N 136, Sta. Cruz de Tenerife, 1975.

BESNIER ROMERO, L :: Medidas e pesos agrícolas, Publicações do Ministério da Agricultura, Madri 1964.


A casa de La Alh ndiga conserva alguns materiais da construção primitiva, datada de meados do século XVII. Especificamente, a cobertura de pares e suspensórios em quatro águas que cobrem o que era o almac nop sito, conservando até os azulejos da época. Outro elemento que permanece desde a sua construção é a parede do perímetro de alvenaria, que até preserva argamassas de cal primitivas em alguns lados, embora estas tenham sido reparadas em inúmeras ocasiões com argamassas de cimento, sendo posteriormente pintadas de branco.

Capas de pares e chaves para quatro águas.

A madeira (chaves, quadrados e pares) e os ladrilhos são conservados quase em sua totalidade e com seus materiais primitivos, sendo o elemento mais afetado os rastejamentos nos quais os ladrilhos suportam, que em alguns casos foram substituídos por novos Este telhado é um exemplo claro da arquitetura tradicional das Canárias, que pode ser vista hoje, em um estado mais do que aceitável. Ao lado desse convés principal, há uma cobertura anexa, de um único rangido e de uma água, seguindo o esquema do principal, embora preservado em piores condições, provavelmente porque os materiais utilizados eram de pior qualidade, pois Esta parte foi destinada ao depósito de grãos em suas origens.

Paredes exteriores

As paredes externas são de alvenaria, com cerca de 5 m de altura por 0,60 m de largura, mantidas em boas condições, sendo a argamassa que a cobre o elemento mais importante, sendo uma argamassa de cal comprovadamente primitiva e preservada em um estado aceitável, pode ser vista claramente nos lintéis e batentes das portas, bem como no exterior e no interior do edifício.

A argamassa de cal original foi rapidamente substituída por argamassas de cimento, sendo posteriormente pintada de branco.



Casa de La Alhóndiga (Tejina)

A fazenda onde o Alh ndiga está localizado possui uma catalogação municipal mista:

a) .- Proteção estrutural : alto valor etnográfico e alto interesse patrimonial que obriga a preservar todas as suas características.

b) .- Proteção ambiental : valor arquitetônico e alto interesse patrimonial que obriga a conservar a fachada e o primeiro rangido.



Casa de La Alhóndiga (Tejina)

O edifício é um edifício que inicialmente tinha dois andares, como se vê em suas origens históricas, sendo o superior o usado como sede da Câmara Municipal, e acessado de fora por uma escada que desapareceu ao longo dos anos. Da mesma forma, o piso do piso superior, que divide os dois pisos, foi perdido por razões desconhecidas, deixando apenas os restos recuados das vigas que unem as duas paredes opostas e que servem de suporte para o tecido da piso de madeira. Estes restos de vigas são visíveis mesmo do lado de fora da fachada.

No lado da casa, você pode ver a divisão primitiva em dois andares, deixando restos da porta de acesso no topo, mas não mantendo a escada externa ou a estrutura que suporta o piso de madeira. O andar superior.



Casa de La Alhóndiga (Tejina)
Descripción Documento Descargar Documento
Plano Catastral
Detalles arquitectónicos de la cubierta a cuatro aguas de pares y tirantes del edificio principal de La Alhóndiga.
Plano de Tejina de 1834

No existe/n Bien/es Relacionado/s